Juliana Doretto conduz entrevista sobre jornalismo de dados

Apresentado pela pesquisadora do MidiAto Juliana Doretto, a terceira edição do programa de entrevistas “Visões do Jornalismo”, do Mestrado Profissional em Jornalismo do Fiam-Faam Centro Universitário, teve como tema o jornalismo de dados.

O jornalista Léo Arcoverde, fundador e editor-chefe do site Fiquem Sabendo, e André Rosa de Oliveira, doutor em Comunicação pela Universidade Metodista de São Paulo e estudioso das bases de dados jornalísticas na web, falaram sobre a definição e o surgimento do conceito, além dos dilemas éticos e das dificuldades dessa prática jornalística.

Veja o programa:

 

O programa “Visões do Jornalismo” é veiculado mensalmente pelo canal da Fiam no YouTube e apresentado pela professora Juliana Doretto. Veja os episódios anteriores aqui.

Rosana Soares e Juliana Doretto participam da Compós, em SP

19023450_1937250109890738_6901400886903461900_o
Apresentação no GT Cultura das Mídias

O 26º Encontro da Compós, a Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, ocorrido em junho de 2017, teve a participação de investigadores do MidiAto.

Rosana de Lima Soares, uma das líderes do grupo, foi vice-coordenadora do Grupo de Trabalho Cultura das Mídias, coordenado pelo professor da PUC Minas Márcio Serelle. O GT se volta ao “estudo de produtos e de processos culturais no âmbito da comunicação, abrangendo práticas discursivas diversas postas em circulação por diferentes meios”, segundo sua ementa.

Juliana Doretto, professora do Mestrado Profissional do Fiam-Faam, apresentou trabalho no Grupo de Trabalho “Recepção: processos de interpretação, uso e consumo midiáticos”. O texto de Doretto aborda a participação de crianças e jovens na construção da narrativa jornalística em veículos a eles destinados. A autora estudou cartas enviadas por leitores à revista Ciência Hoje das Crianças.

Rosana Soares e Silvio Anaz falam sobre Blade Runner na Tríade

cover_issue_204_pt_BR

Rosana Lima Soares, uma das líderes do MidiAto, e Silvio Anaz, pesquisador do grupo, são os autores de “O mesmo e o outro em Blade Runner”, artigo publicado na revista Tríade – Comunicação, Cultura e Mídia, da Universidade de Sorocaba. Silvio desenvolve pesquisa de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da ECA-USP.

O artigo aborda aspectos míticos do clássico filme de Ridley Scott. Veja abaixo o resumo do texto:

 

Este artigo tem como objetivo apresentar possibilidades teóricas e metodológicas para o estudo de narrativas audiovisuais contemporâneas presentes nas mídias. Por meio da análise mitocrítica e de aportes conceituais advindos da teoria geral do imaginário (Gilbert Durand), analisaremos alguns aspectos míticos presentes no filme Blade Runner, o caçador de androides (Ridley Scott, 1982) apontando para processos de identidade e de alteridade nas mídias, e articulando questões relativas à construção de estigmas e estereótipos nelas presentes. Nesse percurso, destacaremos os processos de humanização do protagonista e do antagonista em Blade Runner, o que nos leva à questão da empatia e da aceitação do Outro e do diferente nas narrativas audiovisuais contemporâneas.

Rosana Soares assina prefácio de “Cultura da imagem e sociedade do espetáculo”

cultura-imagem-211x300Rosana de Lima Soares, uma das líderes do MidiAto, assina o prefácio do livro “Cultura da imagem e sociedade do espetáculo” ( Editora Uni, 2016), organizado pelos professores Ana Luiza Coiro Moraes e Cláudio Novaes Pinto Coelho, ambos da Faculdade Cásper Líbero. O livro traz  textos que “foram desenvolvidos na ambiência do grupo de pesquisa Comunicação e Sociedade do
Espetáculo”, do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero. “A maior parte deles tem origem no 3º Seminário Comunicação, Cultura e Sociedade do Espetáculo, promovido em outubro de 2015 pelo grupo de pesquisa liderado por Cláudio Novaes Pinto Coelho”, diz a apresentação da obra.

O texto de Rosana Soares, intitulado  “Cultura das imagens na contemporaneidade”, diz que o “livro oferece possíveis passagens ao abordar a concepção de cultura em Guy Debord por meio de duas vertentes: primeiramente, como reprodutora da sociedade capitalista do espetáculo, posto que inserida em modos de produção e consumo – aspecto predominante quando observamos as mídias – e, em segundo lugar, como possibilidade de uma crítica social em termos políticos e estéticos, contribuindo para o questionamento de modos de vida hegemônicos”.

O livro está disponível on-line.

Juliana Doretto apresenta programa de entrevistas sobre jornalismo

Juliana Doretto, pesquisadora do MidiAto e professora no Mestrado Profissional em Jornalismo do Fiam-Faam Centro Universitário, é a apresentadora do programa de entrevistas Visões do Jornalismo, lançado em junho pelo Fiam-Faam e veiculado pelo canal da instituição no YouTube. A atração será mensal e receberá profissionais e acadêmicos para discutir questões importantes do jornalismo.

No primeiro programa, o Visões do Jornalismo promoveu um debate sobre os cenários do jornalismo digital contemporâneo, com a presença de Elizabeth Saad Corrêa, professora titular da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e pesquisadora nas áreas de comunicação digital e jornalismo on-line, e Conrado Corsalette, jornalista, diretor de redação do jornal digital Nexo e um dos fundadores do site, lançado no fim de 2015.

Paganotti e Marchesi falam de sustentabilidade na Signos do Consumo

O pesquisador do MidiAto Ivan Paganotti publicou, em parceria com Mariana de Toledo Marchesi, o texto “Selos e apelos: fabricação da imagem de açúcar ‘verde’ e agendamento”, na revista “Signos do Consumo”, do Departamento de Relações Públicas Propaganda e Turismo da Escola de Comunicações e Artes da USP.

homeHeaderTitleImage_pt_BR

O artigo “analisa a construção da imagem de marcas sustentáveis de açúcar a partir das informações e representações imagéticas utilizadas nas embalagens para o consumidor” de três marcas: União, Native e Guarani. O trabalho conclui que a “representação da consciência socioambiental diverge entre as empresas avaliadas”, já que elas “se baseiam em estratégias diferentes de agendamento dos comportamentos dos consumidores, e só as duas primeiras fundamentam sua imagem em selos e certificados de instituições que avaliam a gestão sustentável dos produtos”.

Thiago Venanzoni analisa o documentário Homem Comum na Doc On-line

Thiago S. Venanzoni, doutorando no Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da ECA/USP e investigador do MidiAto, é autor de “Metanarrativa da memória em conflito com o relato: o testemunhal e as imagens no documentário Homem comum”, texto publicado na Doc On-line: Revista Digital de Cine Documentário, produzida pela Universidade da Beira Interior (Portugal) e pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

O trabalho, publicado na seção Análise e crítica de filmes, estuda “Homem comum” (Brasil, 2015, 84 minutos), documentário dirigido por “Carlos Nader”, no qual o cineasta acompanha a vida do caminhoneiro Nilson. Segundo Venanzoni:

pode-se afirmar que a metanarrativa ou a narrativa das imagens construída por Carlos Nader em Homem comum trata-se de um retorno, de uma condição traumática que mobiliza realizador e personagem a estar nesse filme durante o tempo de seu processo. Não se trata do tempo cronológico, e sim a condição de um tempo diante da imagem, da memória.

 

 

Thiago Venanzoni resenha obra de Maria Cristina Ferraz na Galáxia

GRD_587_Ruminacoes-frente__76867_zoomA nova edição da Galáxia, revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, traz resenha feita por Thiago Siqueira Venanzoni, doutorando na ECA/USP e pesquisador do MidiAto.

Em “Ruminações do contemporâneo e a suavidade no tempo de digestão”, Venanzoni fala do livro “Ruminações: cultura letrada e dispersão hiperconectada” (Garamond, 2015),  de Maria Cristina Franco Ferraz. Ele diz que a obra “propõe modos de escape à dispersão do presente a partir de uma nova instauração da cultura letrada” e que o livro busca “uma ruminação do contemporâneo e não apenas o seu consumo imediato, ou, uma suavidade digestiva em torno da multiplicidade produtiva. Em vez de um cérebro para dar conta de todos os afetos, vários estômagos para absorver o alimento do presente”.

 

Ivan Paganotti fala de regulamentação dos meios de comunicação na Eptic

Ivan Paganotti, doutor pela ECA/USP e pesquisador do MidiAto, é autor de “Ecos da censura na regulamentação de meios de comunicação: propostas democráticas de controle e a herança autoritária em Portugal e no Brasil“, artigo publicado na última edição da Revista Eptic (jan-abr 2017), na seção Artigos e Ensaios.

cover_issue_504_pt_BRO texto “aborda o desmonte das estruturas estatais de censura durante a abertura democrática em dois países que apresentam proximidade em suas características culturais, históricas, jurídicas e infelizes raízes comuns entre seus governos ditatoriais no século XX: Brasil e Portugal. Para isso, propõe uma contextualização das diferenças atuais de suas estruturas de regulação da comunicação a partir da reconstrução dos laços históricos em que convergiram, em séculos anteriores, mudanças de regimes políticos e pressões por maior controle dos meios de comunicação ou a defesa de maior liberdade de expressão”.

A revista é uma publicação quadrimestral, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação e editada pelo Observatório de Economia e Comunicação  da Universidade Federal de Sergipe.

Novos Olhares publica textos de pesquisadores do MidiAto

cover_issue_9276_pt_BR
Capa da nova edição

A última edição da Novos Olhares, revista de Estudos Sobre Práticas de Recepção a Produtos Midiáticos, publicada pelo Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da ECA/USP, traz dois artigos de pesquisadores do MidiAto.

Ivan Paganotti, doutor pela ECA/USP e professor do colégio Dante Alighieri , assina o texto
Repulsa visceral ao terror mutilado: Halloween, adequado à classificação indicativa. O trabalho analisa como o corte de cenas do filme de terror Halloween – O início (2007), por conta de adequação da obra a uma classificação indicativa menos rigorosa, comprometem o filme, já que “a violência é o cerne de ‘slasher films’ e não pode ser descartada como excesso pela autocensura”, diz o resumo do artigo. O texto também “critica o modelo de cortes promovidos por produtores privados e induzido pela classificação indicativa governamental, sugerindo um novo mecanismo para apresentar maior transparência ao processo que foi considerado como uma prática inconstitucional de censura pelo Supremo Tribunal Federal”.

Juliana Doretto, doutora pela Universidade Nova de Lisboa e professora do Fiam-Faam Centro Universitário, é autora de Indicadores nacionais sobre TIC e cultura: perspectiva qualitativa. O texto aborda a pesquisa TIC Cultura, desenvolvida pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, por meio do Cetic.br, que “tem como objetivo produzir indicadores e análises que possibilitem compreender como o acesso às tecnologias de informação e comunicação e os usos que se fazem delas modificam práticas culturais da população brasileira, e como as TIC estão sendo incorporadas pelos equipamentos culturais em sua rotina interna de funcionamento e também na relação com o público”. No artigo, a autora analisa “um recorte dos dados levantados na fase qualitativa do projeto, com enfoque nos jovens de 15-17 anos”.

Veja a edição completa da revista: http://www.revistas.usp.br/novosolhares/issue/view/7015