Pesquisadores do MidiAto são indicados a prêmios da Intercom

304688_416418025072370_1211902962_nDois investigadores do MidiAto, doutorandos no Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da ECA-USP, estão concorrendo à edição 2014 dos Prêmios Estudantis da Intercom. Mariana Tavernari foi indicada ao prêmio Francisco Morel, para trabalhos de mestrado, e Felipe da Silva Polydoro, para o prêmio Freitas Nobre (doutorado). Os concorrentes foram indicados pelos GTs da Intercom após o último congresso nacional realizado em 2013, em Manaus. 

Tavernari, orientada pela professora Rosana de Lima Soares na USP, apresentou o trabalho “Modelos de protagonismo e deslizamentos narrativos em memes da internet”. Polydoro, também sob a orientação da professora Rosana, falou sobre o texto “O vídeo caseiro ‘Para a nossa alegria’ e a captação do imprevisto”. 

Depois da indicação feita pelos GTS, os trabalhos são encaminhados para um corpo de jurados formado por cinco ou seis sócios da Intercom de todas as regiões do Brasil.

Anúncios

Renata Costa debate livro de Malena Contrera em evento da Fapesp

A investigadora do MidiAto Renata Carvalho da Costa participou do evento “50 anos das Ciências da Comunicação no Brasil: a contribuição de São Paulo”, organizado pela Fapesp e pela Intercom, apresentando o livro Mediosfera – meios, imaginário e desencantamento do mundo, de Malena Segura Contrera (Annablume, 2010). A apresentação, no começo de outubro, fez parte da sessão “Dinamizadores das Ciências da Comunicação”. O evento teve como objetivo discutir obras de autores de São Paulo que foram importantes para a construção do campo da comunicação no Brasil.

Leia abaixo resumo do livro apresentado pela pesquisadora:

capa_mediosfera (1) A partir do conceito de Noosfera, conforme desenvolvido por Edgard Morin, a autora Malena Segura Contrera propõe a existência de outra esfera imaginária, que constitui a primeira e é própria dos meios de comunicação, a Mediosfera. Assim como a Noosfera, a Mediosfera também representa um mundo desencantado.

Esse “desencantamento do mundo” (segundo Weber) muito deve ao pensamento cartesiano racionalista que “não reconhece vida fora da lógica do cogito, eliminando a existência e a ação do inconsciente nas relações sociais e, por consequência, nas relações comunicativas” (p. 18). A visão lógica, portanto, crê que as intenções comunicativas são “essencialmente conscientes”, conceito desconstruído ao longo do livro.

A Noosfera é composta pelo que Morin chama de “seres do espírito” e foram alguns deles que geraram e continuam gerando a cultura mediática (e “a nos gerar por meio dela” – p. 22). A autora destaca e detalha esses seres ou “demônios”: 1) a visibilidade e a questão da imagem mediática na sociedade contemporânea; 2) a eletricidade e o culto à tecnologia e, entremeada a esses dois, 3) a hipertrofia do símbolo dinheiro.

Com ricos exemplos sobre as religiões (das religiões mágicas às religiões éticas, estas totalmente adequadas a uma sociedade capitalista) e a crença dos homens nestas através dos tempos, a relação entre violência e o sagrado, o mito e a imagem, Contrera demonstra, usando autores como Max Weber, Berman e Pierucci, entre outros, o “desencantamento do mundo” que é, como resume Pierucci, analisando Webber: “a desmagização e perda do sentido” (p. 26).

A dissociação, portanto, entre representação e experiência concreta (o que nos localiza em um mundo de simulacros, conforme Baudrillard) está na raiz da crise de sentido da mídia e das produções midiáticas, assim como da sociedade (p. 109). A mídia é, assim, herdeira de uma visão de mundo desencantado. Consequentemente, as imagens técnicas, aquelas produzidas pela mídia, aboliram o “suporte concreto”; são elas “uma manifestação de um referente que permanece no âmbito do imaterial” (p. 116). Essa imagem, desligada de seu suporte material pretende ser uma imagem “pura”, a “imagem perfeita” buscada pela TV digital e pela tecnologia. A imagem é pura eletricidade.

A autora não concorda com autores como Maffesoli, de que vivemos um reencantamento do mundo centrado na experiência estética. Segundo ela, “vivemos, na realidade, novas formas de encantamento geradas a partir exatamente da aniquilação do mundo, tal qual concebido até meados do século XX”. O senso de pertencimento a um grupo criado pelas redes sociais e a união virtual de pessoas com o mesmo gosto ou opinião não representa, para a autora, a solução para um reencantamento do mundo. Para ela, a aposta está em pensar o papel da Comunicação e os processos de “resiliência” – um caminho pavimentado por alguns elementos (conforme concebido pelo neuropsiquiatria Cyrulink), como narratividade, resgate do contexto, ressignificação, afetividade e relações interpessoais (p. 133).

Pesquisadores apresentam trabalhos no 36º Intercom, em Manaus

fotoInvestigadores do grupo de estudos MidiAto apresentam seus trabalhos no 36º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (http://intercomanaus.com/brasil/intercom2013), realizado entre 4 e 8 de setembro na Universidade Federal do Amazonas, em Manaus, com o tema “Comunicação em tempo de redes sociais: afetos, emoções, subjetividades”. Confira os trabalhos apresentados durante o evento:

Pesquisador do MidiAto fala sobre representações do exótico na TV

[Publicações do MidiAto]

José Augusto Lobato, doutorando do PPGCOM-USP e membro do MidiAto, apresentou o trabalho “A construção da alteridade na TV: estratégias e procedimentos de enunciação do  outro no telejornalismo e na ficção” no Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, realizado na Universidade Federal do Amazonas, em setembro de 2013.

O texto propõe uma reflexão teórica sobre as narrativas de alteridade que compõem programas jornalísticos e obras de ficção da TV aberta brasileira. Para isso, são analisadas algumas noções da comunicação informativa – como as de objetividade, atualidade e referencialidade – e as funções e estruturas do texto da telenovela.

Ao fim, são indicados pontos de convergência entre as formas com que esses gêneros constroem representações do outro, com destaque para os jogos de oposição, a produção de efeitos de real e o trabalho com personagens fronteiriças – responsáveis por orientar o processo de tradução pelo telespectador.

Referências:

LOBATO, José Augusto Mendes. “A construção da alteridade na TV: estratégias e procedimentos de enunciação do  outro no telejornalismo e na ficção”. In: XXXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Setembro de 2013.

Acesse o artigo aqui.

Artigo analisa estudos sobre jornalismo investigativo

[Publicações do MidiAto]

A pesquisadora do MidiAto Seane Melo apresentou o artigo “Os estudos sobre Jornalismo Investigativo no campo da Comunicação” no último Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, realizado na UFAM, entre 4 a 8 de setembro de 2013.

No artigo, Seane Melo procura demonstrar como o jornalismo investigativo vem sendo representado no meio acadêmico. A partir da análise de 20 trabalhos científicos apresentados em congressos de Comunicação e Jornalismo, entre 2000 e 2012, o estudo traça os eixos de pesquisa mais explorados sobre o tema e defende que o jornalismo investigativo está em processo de construção enquanto disciplina discursiva (Foucault), isto é, enquanto espaço que delimita os problemas e questões legítimos para estudo e discussão.

Referências

MELO, Seane. “Os estudos sobre Jornalismo Investigativo no campo da Comunicação”. In: XXXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Setembro de 2013.

Palavras-chave: jornalismo investigativo; campo acadêmico; disciplina; discurso.

Pesquisadores do MidiAto apresentam trabalhos no XXXV Intercom

Pesquisadores do grupo de estudos MidiAto apresentam seus trabalhos no XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom – 2012), que será realizado de 3 a 7 de setembro de 2012 na Universidade de Fortaleza (Unifor), em Fortaleza (CE) com o tema “Esportes na Idade Mídia – diversão, informação e educação”.

Confira os horários de apresentação e os links para os trabalhos nos anais do evento – o programa completo pode ser acessado no site do Intercom:

Dia 6/9 das 09h00 às 12h00 – Imprensa, liberdade de expressão e controle, coordenada por Mayra Rodrigues Gomes (USP)
“A Voz e o Veto: a Influência da Opinião Pública sobre a Censura” – Carla de Araujo Risso (UNIFIEO)

Dia 6/9 das 14h00 às 17h00 – Poder, Comunicação e Mídias, coordenada por Mayra Rodrigues Gomes (USP)
“A Comunicação sob o olhar da Classificação Indicativa” – Mayra Rodrigues Gomes (USP)
“Em Nome do Proibido – controle da liberdade de expressão, justificativas para interdições e reflexos da censura” – Ivan Paganotti (USP)

Dia 6/9 das 14h00 às 18h00 – Narcisismo e compartilhamento na blogosfera, coordenada por Gisela Granceiro da Silva Castro (ESPM)
“Percursos metodológicos enunciativos e discursivos em blogs íntimos” – Mariana Della Dea Tavernari (ECA-USP)

Dia 7/9 das 09h30 às 12h00 – Edição: Experiências editoriais, coordenada por Raquel Castedo (PUCRS)
“Alguns aspectos do livro eletrônico como objeto de estudo no GP Produção Editorial da Intercom (entre 2000 e 2011)” – Renata Carvalho da Costa (USP)

Dia 6/9 das 14h00 às 18h00 – VIII INTERCOM JÚNIOR – SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA
“Dos bastidores à mise-en-scène na esfera pública: uma análise dos discursos sobre o cerceamento da liberdade de expressão em matérias jornalísticas” – Nara Lya Simões Caetano Cabral (ECA/USP)

MidiAto no XXXII Congresso Intercom

Os integrantes do MidiAto estiveram presentes no XXXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom –, realizado entre os dias 4 e 7 de setembro, no Campus da Universidade Positivo, na cidade de Curitiba no Paraná. O Congresso teve como tema Comunicação, Educação e Cultura na Era Digital, que foi apresentado já na conferência inaugural proferida pelo professor Dominique Wolton, durante abertura oficial do Congresso.

Os trabalhos apresentados pelos integrantes do grupo durante o XXXII Congresso Intercom abarcam as pesquisas de mestrado e doutorado que vêm sendo desenvolvidas no Programa de Pós-Graduaçao em Ciências da Comunicação da Escola de Comunicação e Artes (USP). Os temas transitam por um amplo leque de abordagens teóricas e metodológicas que se unificam na linha mestra das Ciências da Linguagem e, mais especificamente, nos estudos sobre o discurso.

Dentre os trabalhos selecionados para o Congresso, 3 foram apresentados dentro do Núcleo de Pesquisa (NP) Comunicação e Culturas Urbanas, 1 foi apresentado no NP de Ficção Seriada e 3 foram apresentados no NP de Jornalismo, que neste ano foi subdividido em 5 Grupos de Pesquisa (GP) devido ao grande número de trabalhos selecionados com a temática jornalismo.

Veja abaixo a relação dos trabalhos e acesse o texto completo clicando sobre o título.

Núcleo de Pesquisa (NP) – Jornalismo

  • GP Jornalismo Impresso

A Universidade em Manchete – Análise da Estética e da Diagramação da Primeira Página no Jornal Universitário: Estudo de Caso Jornal da USP
Carla de Araujo Risso

Raça Brasil e a Temática Apresentada nas Capas e Editoriais (2007-2009)
Daniele Gross Ramos

  • GP Teorias do Jornalismo

Articulação da Memória Discursiva no Texto Opinativo
Ana Claudia Mielki

Para Além do Presente: A Inserção do Passado nas Reflexões sobre o Jornalismo
Eliza Bachega Casadei

Núcleo de Pequisa (NP) – Ficção Seriada

O Som das Desigualdades: Reflexões Sobre a Trilha Sonora de Vidas Opostas
Mariane Harumi Murakami

Núcleo de Pesquisa (NP) – Comunicação e Culturas Urbanas

Identificações Discursivas e Representações da Morte no Ciberespaço
Mariana Della Dea Tavernari

Imagens de São Paulo na Década de 50 nos Trechos Censurados das Peças Teatrais do Arquivo Miroel Silveira
Andrea Limberto Leite

Sintoma de Nossos Tempos: Representações do Ideal Adolescente em Matérias Sobre Parricídio
Mariana Duccini Junqueira da Silva